quarta-feira, 13 de agosto de 2008

SE...

Esse post nasceu de um questionamento mais ou menos assim: Será que se estivéssemos ficado, estaríamos sentindo tanta falta/saudade como acontece?
É uma pergunta que jamais terá uma resposta exata. A que eu tenho é a seguinte, provavelmente estaríamos sentindo muito mais, porque a saudade do que se conhece é muito mais intensa daquela que se imagina. Se pararmos pra pensar sobre isso, chegaríamos à conclusão de que jamais poderíamos sentir saudade de algo que não existiu, mas no entanto, por que não funciona assim?
O que dói é a saudade ou o arrependimento de não ter feito o que hoje é tão claro? Por que que quando se tem oportunidade, não se tem atitude? Ou simplesmente, não há nem ao menos a cogitação? Por que os olhos nos mostram algo agora e só um tempo depois projetamos? Seria isso a tal 'ILUSÃO DE ÓTICA'? Não, acho que isso está mais para o tal 'EFEITO RETARDADO'...
Sempre fui muito racional, embora altamente passional, sempre analisei as situações, as adversidades de forma ampla e usando muitos 'SE', SE eu fizer isso, acontecerá aquilo, SE isso... aquilo. O SE paralisa, o SE é castrador, hoje me encontro cansada dos períodos hipotéticos, quero os possíveis, os reais, os certos...
Mas caso não funcione:
SE eu me perder, que eu tenha a bússola;
SE eu me jogar, que a queda seja amortecida por braços carinhosos;
SE vier o amor, que seja recíproco; Mas,
SE nada disso ocorrer, que tenha valido a pena...

Um comentário:

EU disse...

Tudo com vc valeu a pena!!! Muito a pena!!! Mas minhas quintas nnca mais serão as mesmas, apesar de eu saber que este post não é pra mim em específico pq são 2 "SE"... ...SAUDADES